O youtube namoro cara

Por que Enaldinho é o melhor youtuber

2020.06.24 06:01 Zorubark Por que Enaldinho é o melhor youtuber

Enaldinho não é só lindo, mas muito esperto. Ele entende coisas como o que as emoções humanas e namoro, o gravidade e suas propriedades e outras coisas incriveis como contar até 100 até 10000. Sua comédia é tão natural que sempre me faz rir mesmo quando não é uma piada, o cara é um gênio nato. Enaldinho é icônico, não them igual, literalmente, não tem nenhum youtuber que faz as mesmas coisas que ele, nuca vi um. Eu aspiro para ser um homem tão grandioso como ele uma dia, eu sei que nunca serei como ele mas eu posso sempre sonhar.
O cara é tão foda que faz música tbm. Conteúdo não só variado mas interessante
submitted by Zorubark to circojeca [link] [comments]


2020.05.31 20:18 jgabrielsb_ To feliz, depois de tanto tempo. :)

Há muito tempo tenho me sentido extremamente deprimido e inexpressivo, por conta de vários e vários problemas que tive nos anos passados (principalmente relacionados a um namoro específico). Nunca fui um cara de me expressar muito e isso sempre foi ao mesmo tempo minha maior qualidade, mas também meu maior defeito. Acho que o maior problema de ser assim foi que eu nunca falei muito sobre nada, com ninguém. E sempre soube que eu sou alguém com ideias bem legais e, por ser quieto, sou muito observador. Desde sempre tenho o sonho de fazer um canal no youtube pra me expressar melhor, mas nunca tinha dado certo, por que eu sempre fazia o conteúdo errado e não me fazia feliz. Daí depois de assistir uns canais muito que falam sobre diversos assuntos aleatórios, eu me inspirei e criei um canal, onde eu finalmente estou gostando de fazer e está me dando, mesmo que ainda pouco, um feedback muito positivo. Não só para o canal em si, mas pra minha vida. :D
Se algum de vocês quiser conferir, só pedir. Mas vai com a mente aberta!
submitted by jgabrielsb_ to desabafos [link] [comments]


2020.05.30 16:37 OwnDoubt9 QUERIA QUE MEUS PAIS PEDISSEM DIVORCIO

É a minha primeira vez aqui, a verdade é que nem sei por onde começar...quando eu era pequena, via meu pai como meu único heroi, antes de contar tudo o que ele fez, vou começar com a historia dos meus pais, minha mãe veio de maranhão com as irmãs dela, ela fez faculdade, e começou a trabalhar em um hospital, e foi la a onde se conheceram, meu pai desde sempre bebia, ent minha mae ja sabia desse problema, nisso tudo deram um tempo, ele voltou para a cidade onde nasceu, e depois de uns meses ele voltou para minha mae..ela aceitou e nisso nasceu minha irma, e resolveram se casar, e depois de seis ou sete anos, eu nasci, e ja vou logo avisando minha vida desde cedo foi um inferno,e n ela n melhora...vou tentar resumir, meu pai n dura e nem durava mais de 1 ano em um emprego, minha mae sempre pagou as contas e tudo mais, no meu primeiro dia de vida eu quase morri engasgada com o leite materno e meu pai me salvou, aos 5 por ai ate meus 12 anos fui abusada pelo meu tio, na minha escola ngm queria andar cmg, ate que conheci a minha melhor amiga ate hoje, ela foi a primeira que contei sobre o abuso, depois a minha familia toda soube, a minha tia se afastou da familia toda, e afstou meu priminho de todo mundo, toda vez que a vejo ela me olha com cara de desprezo, meu pai parou de beber quando eu tinha 12 anos, mas isso pq ele quase matou minha mae, e disse nos meus olhos que me odiava, tenho crises de ansiedade toda vez, ja fui em psicologos...estou tentando resumir pq e muita coisa, descobri umas coisas do meu pai esses dias, e confesso n ta facil, to tentando ser youtuber é algo que estou correndo atras, mas n e facil, minha vontade de morrer e muito grande, de sumir sabe, quando eu era pequena, brincava sozinha e imagina a vida que nunca tive, hj em dia meus pais so brigam, e eu n consigo olhar na cara do meu pai, ja falei com a minha mae, mas ela decidiu dar para ele mais uma oportunidade de estragar minha vida, eu n tenho força, descobri a um mes atras que meu namorada me traiu, um namoro de um ano e meio, terminei com ele....todos acham que estou bem mas n estou, sempre ajudo os outro...queria que alguem me ajudasse, queria me sentir importante, unica, queria crescer na vida, queria ter meu lugar, queria que minha vida andasse sabe, mas parece que ela piora toda vez, me desculpem por isso....
submitted by OwnDoubt9 to desabafos [link] [comments]


2020.03.11 00:37 Idalen Queria fazer novos amigos

Texto longo e provavelmente incoerente, eu só quero jogar o que sinto para fora.
Faz um ano que vim para São Carlos, interior de São Paulo, o que foi um presságio de algo muito bom já que finalmente eu iria começar o curso de computação em uma universidade de excelência e etc e tals. Tudo parecia estar no caminho certo. Mas não está sendo fácil como eu achei que seria.

Minha Adolescência

Anteriormente eu morava em Itabuna, na Bahia, onde passei da minha infância até os 17 anos, inclusive os anos da adolescência. Ah, os anos entre os 15 e os 17. Parece um período curto de tempo, afinal, são apenas 3 anos. Porém, foram os anos em que eu mais me senti vivo em toda a minha vida.
Neles, fiz minhas amizades mais afetuosas, as quais mantenho até hoje, apesar da distância e que carrego com muito carinho na minha memória. Tínhamos bastante coisa em comum e eles me consideravam bastante, portanto isso sempre me trouxe um sentimento de pertencimento muito forte e seguro. Eu sempre fui meio fechado e tenho certa dificuldades de fazer amigos, tê-los encontrado é uma das coisas que me deixa grato ao acaso até hoje.
Além disso, foi o período em que comecei a me aproximar do meu pai. Nós sempre tivemos uns desentendimentos (principalmente em relação a ele e minha mãe serem divorciados), mas no final desses anos comecei a vê-lo como amigo, o que mudou muito meu afeto por ele. Também me aproximei mais dos meus irmãos pequenos, na medida em que eles cresceram. Fico triste em passar o tempo de todo dia sem poder compartilhar um minuto com eles.
Outro ponto marcante desse período foi o meu primeiro (e último) namoro e amor. Era uma relação extremamente caótica e complicada, mas eu nunca havia sentido aquilo antes, aquela intensidade, a sensação de que tudo podia acabar e estaria tudo bem. Certamente, esse amor foi a coisa mais pura e danosa que já senti em toda a minha vida. Confuso e conflitante, bagunçou minha cabeça e reverbera até hoje. Mas bem, foi adorável.
Apesar dessas memórias, que são boas de certa forma, eu também sei que minha adolescência foi o período mais caótico e triste da minha vida. Eu vivia entalado de pensamentos niilistas, me sentia sem objetivos o tempo todo, odiava a escola, vivia tendo problema com meu pai e a minha namorada, minha mãe desenvolveu um quadro de depressão complicada e a morte do meu avô.
Foi certamente a fase mais complicada da minha vida, mas mesmo assim, eu a vejo como se fosse o auge. Fiz meus melhores amigos, meu maior amor, conheci minhas bandas preferidas até hoje, defini quem eu sou até hoje, meus gostos, meus comportamentos, minhas opiniões. É como se eu só me sentisse eu depois dessa fase, mesmo ela sendo tenebrosa. Esses 3 anos(2015-17) pareceram muito mais longos do que os últimos 3 (2018-20), é como se eu tivesse vivido mais.
E aí entra o presente.

(Um pouco antes do) Presente

Bem, logo após o ensino médio, a maioria dos meus amigos foram para outra cidade e os que ficaram tomaram rumos diferentes do meu. Eu fiquei fazendo o pré-vestibular, até que ocorre o término com a minha ex depois de muitas turbulências. Então decido morar com a minha mãe e fazer um cursinho em Vitória da Conquista -BA.
O ano do cursinho foi bem insosso, eu passei ele inteiro praticamente estudando para passar no vestibular. Além disso, eu também desenvolvi muitas reflexões que me ajudaram a ajeitar alguns conflitos internos que surgiram anos antes (obrigado existencialismo e Antídoto ). No final do ano, fui passar dois meses em Campinas -SP para fazer as provas de vestibular. Eu realmente sentia que passar numa faculdade de excelência fosse a forma de me redimir com meus pais por não ter dado valor aos estudos durante o ensino médio. Era como se fosse minha obrigação por ter vindo de uma família onde meus pais sempre me apoiaram de todas as formas possíveis.
Já em Campinas, eu passei 2 meses sozinho em uma cidade onde não conhecia ninguém. Acho que foi o tempo em que me senti mais triste. Fiquei meio que 2 meses inteiros sem fazer nenhum contato com ninguém que não fosse a atendente do mercado onde comia. Eu não tinha ânimo para estudar nem fazer nada inclusive coisas que eu sempre gostei como games e filmes.
Eu sempre fui meio deprê e pessimista, esse tempo intensificou bastante essas características. Olha, eu realmente sei que meus problemas não são os dos mais sérios, que tem muita gente que sofre mais do que eu e que eu sou só um garoto de classe média extremamente mimado que nunca teve nenhum problema real na vida. Eu realmente não tenho o direito de estar depressivo. Mas eu estava de qualquer forma, eu não conseguia fugir disso.
Depois das provas, voltei pra Bahia, foi muito bom estar de volta e umas das minhas férias mais felizes. Em meados de janeiro, fui aprovado pela Fuvest. De cabelo raspado e com todos os meus amigos e familiares, posso dizer que foi um ótimo momento (apesar de ter durado um pouco menos de um mês). Após isso, fui para Ribeirão Preto -SP, de onde fui para São Carlos depois, onde estou até agora

(Agora sim o) Presente

A princípio tudo parecia ótimo, iria morar só e fazer o curso que eu queria. Bem, se passaram quase dois anos e eu me sinto um fracasso. Sou um fracasso na faculdade, não consigo estabelecer relações sociais com quase ninguém e também não consigo ser participativo em nenhum projeto ou atividade. Eu sou inseguro demais, sinto meu corpo tosco demais e minha mente estúpida demais.
Sinto como se todos os meus colegas estivessem um passo na minha frente dentro do curso, todos tem experiências prévias e sempre parecem super interessados nos estudos. Eu gosto das matérias no geral, mas não tenho esse anseio por conhecimento nem acho uma derivada algo maravilhoso. Sempre fui mais interessado em músicas, filmes e filosofia (também tecnologia, mas não no nível da galera do curso). Coisas como essa me trazem uma dificuldade enorme de me aproximar dos meus colegas de sala.
Eu também nunca fui de beber e ir em festas no estilo festas de república. Isso me faz me sentir meio descolado. Tentei ir em algumas aqui com uns colegas mais próximos, mas eu não consigo me sentir pertencente a essas atividades. Eu nunca cheguei em uma garota em toda a minha vida (não que eu seja virgem ou frustrado com mulheres por causa disso), mas com todas as garotas com quem eu fiquei havia um envolvimento emocional que me fazia sentir atraído e confortável. Isso não existe nos flertes das festas. Fiquei apenas com uma garota até agora e eu nunca conversei normalmente com ela. Eu me sinto tão estranho e tão reprimido por causa disso. Eu realmente queria poder me curtir esse ambiente sem me sentir estranho.
As amizades que eu fiz até agora eu separo em dois tipo: Os festeiros. São aqueles que adoram ir em festas, se embebedar, dançar e ficar com pessoas. Coisas que eu não gosto de fazer mas tento para me sentir enturmado. E os nerds incel. Beleza mano, eles tem um lado legal e tals, mas eu detesto esses caras que acham que uma mulher é vagabunda por que ela fica com mais de um numa festa. Isso me deixa extremamente revoltoso, mas eles são as únicas pessoas que consegui me conectar aqui. No total, são umas 8 pessoas.
Geralmente passo o tempo só em casa, o único lugar que gosto nessa cidade. Vejo filmes, tento compor umas músicas, estudo. Mas sinto muita falta de ter amigos próximos como foram os do ensino medio, de estar próximo dos meus irmãos e dos meus pais diariamente, de estar seguro em um amor com alguém, de conhecer a cidade onde moro, de não me sentir tão só.
Eu só queria ter amigos aqui, no fundo no fundo. Um texto enorme não teve utilidade alguma, mesmo que eu me sinta mal, eu nem deveria me sentir. Eu só queria ter um certo prazer de estar vivo. Sinto como de estivesse gastando meu tempo aqui de forma descontrolada. Obrigado a quem leu até aqui.
submitted by Idalen to desabafos [link] [comments]


2019.06.30 13:33 diogocarneiro Recebemos o prêmio de Melhor Jogo Brasileiro!

Olá! Tudo bem? Meu nome é Diogo Carneiro, sou sócio-fundador da Cadabra Games. Essa semana está acontecendo o BIG Festival, o maior evento de jogos independentes da América Latina e fomos premiados como o melhor jogo brasileiro!

Eu queria compartilhar algo a mais com vocês e tentar passar um pouco da importância de se dedicar 100% a algo, seja o que for!
Dois anos atrás, não tínhamos IDEIA de como criar um jogo. Nosso programador tinha 17 anos e não sabia escrever uma linha de código. Eu não tinha noção de como animar uma criatura em 3D, muito menos criar shaders e VFXs. Não tínhamos nenhuma formação da área de Game Design.
Pra variar, cometemos o maior erro de principiantes. Querer fazer um jogo 'grande' logo de primeiro projeto.
Dois caras, vendo tutorial no youtube de como fazer o boneco andar quando você clica, decidindo fazer um jogo com geração de mapas aleatórios, tudo em 3D, cada criatura diferente uma das outras(não dá pra reaproveitar nada!!), etc...
De início, é igual começo de namoro, tudo lindo, todos empolgados, criando joguinho. Na hora que a realidade bate, é o momento mais importante. É aqui que vai fazer diferença você resolver virar a noite estudando, tentando resolver algo, se f*#*#&, achando que conseguiu e se f#*8#& novamente. Desculpa se perdi o foco ou fiquei emocional, mas alguém pode estar nesse exato momento com algum sonho. Espero poder motivar um pouco essa pessoa a não deixar que aquilo continue só um sonho.

Bom, o nosso jogo se chama ADORE. Se alguém quiser testar ele, hoje é o último dia da Big Festival, tem uma Demo lá, é só chegar e jogar! O evento é gratuíto! :D
Ele ainda está em beta fechado, mas logo vamos abrir em acesso antecipado na Steam.
Segue o trailer: https://www.youtube.com/watch?v=4dvc8LgCSSY
Toda semana postamos algum processo de como está o jogo em nossas redes sociais. Pra quem quiser acompanhar mais de perto no Facebook, twitter ou instagram, só procurar por @CadabraGames e tem também nosso Discord.

Queria também dar parabéns para todos os outros jogos do evento. Sério, vocês precisam ver a qualidade e potencial que o Brasil tem nessa área. Cada jogo impressionante!

Abraços!

[EDIT: Começamos o jogo apenas eu na arte e o Thiago Targino na programação. Alguns meses depois entrou meu irmão, Thiago Carneiro, como Produtor! Atualmente estamos em 3.]
submitted by diogocarneiro to brasil [link] [comments]


2019.06.17 03:57 lucius1309 LUGAR AMALDIÇOADO

Antes de começar, dá um play nos discos que ouvi pra escrever esse texto.

ALICE IN CHAINS - SAP (1992)
https://www.youtube.com/watch?v=wQUlXOJqi5M
ALICE IN CHAINS - JAR OF FLIES (1994)
https://www.youtube.com/watch?v=6zurnifn-Y0

Gosto de forçar minha tristeza às vezes. Não sempre. Mas eventualmente gosto de saber que ainda sinto alguma coisa. No geral, é tudo apatia. Vontade de não levantar da cama e nem de ver ninguém nos olhos. Falar com pessoas é algo que acaba comigo, e várias vezes tive que ficar minutos (que pareciam dias) no telefone falando com pessoas que, honestamente, eu não dou a mínima.
Na real, eu não dou a mínima pra ninguém.
Ou quase ninguém, eu acho.
Não que eu não me importe com as pessoas, eu simplesmente não tenho interesse algum nelas, e por mim, viveria sempre no meu bom e velho casulo ouvindo discos, batendo textos e fazendo comidinhas gostosas. Sim, agora não existe a garrafa, não há muito a se fazer além disso.
"Então o que você me diz do seu trabalho atual, em que você ajuda pessoas a saírem do buraco que um dia você esteve?" o leitor pode questionar. E a resposta é simples. Eu faço tudo isso porque me faz bem, não porque faz bem pros outros. Fazer bem pros outros é mera consequência, mas se não fizesse, eu continuaria fazendo do mesmo jeito.
Certo.
Voltando uns doze anos atrás, eu estava começando a beber todos os dias, escutava Metallica, Megadeth, Anthrax, Iron Maiden e Slayer todos os dias, usava camisetas pretas e calças jeans desbotadas, havia raspado a minha cabeça com a maquininha 1, pesava sessenta quilos com um metro e oitenta de altura, odiava a faculdade e todos que estavam lá, meu namoro não ia bem e eu estava sendo traído (coisa que só vim a descobrir depois de um tempo), não acreditava em Deus e nem no Diabo, eu só queria me esconder e ler um pouco de Nietzsche. Acabei lendo dez livros dele, fora Schopp, Kierkgaard, Spinosa, Rimbaud, Heidegger, Camus, Baudelaire e outros imbecis, não sei onde eu li, só sei que li sobre o egoísmo do altruísmo, e sobre como pensar no próximo era sim o maior ato de pensar em si mesmo. Se fazer bem pra alguém te faz bem, você faz, mas se não faz, você deixa de fazer. É aquele velho ditado, todo mundo torce pelo sucesso do outro, desde que não interfira no sucesso de si mesmo. Logo eu, uma das pessoas mais covardes que conheci, lendo isso com meros dezessete anos, sem saber porra nenhuma da vida e achando que o problema estava todo no mundo lá fora, e nunca dentro de mim.
Afinal, não havia nada de errado em pensar em suicídio todos os dias, beber e ouvir música pesada. E depois disso tudo, as coisas só vieram a piorar.
Tenho certeza que moro num lugar amaldiçoado. Meus dois vizinhos usam drogas de forma violenta, desde que estão aqui eles usam, até hoje não conseguiram parar. Um deles eu sei que está jurado de morte pelo líder de algumas bocas de fumo da região, inclusive uma vez ele quase morreu por causa de uma dívida de trinta reais, mas eu fui na biqueira e paguei essa dívida. Claro que depois disso ele contraiu dívidas novas, e novas, e hoje devem estar em números exorbitantes.
Dentro da minha casa eu já usei muita droga, assim como meu pai e minha mãe, meu irmão começou a usar drogas aqui dentro também. Um ex namorado da minha mãe morreu de cirrose na sala de estar, ela chegou do trabalho e encontrou ele todo ensanguentado, pedaços do rim e do fígado espalhados pelo sofá, uma cena digna de um seriado policial. Eu mesmo já tentei me matar seis vezes aqui dentro, sendo dois enforcamentos, três tentativas de overdose (uma delas com medicamentos, duas com outras drogas) e uma vez com uma arma contra a minha cabeça. A casa já foi invadida duas vezes, furto, onde nada de mal aconteceu além da perda material. Já coloquei aqui dentro traficantes, putas, usuários de drogas, bicheiros, assassinos, trombadinhas, moradores de rua e toda classe de degenerados.
Hoje moro sozinho nessa casa, estou pensando em sair fora, pagar um aluguel em algum lugar e passar essa casa pra frente (venda ou locação), pra ver se consigo me sentir melhor. Os sábados geralmente são piores, mas todos os dias são complicados, o espiritual daqui é carregado, é como se alguma alma ainda andasse aqui dentro, quem sabe a alma do ex-namorado da minha mãe, que morreu aqui dentro. Minha mãe está numa depressão forte há quase dois anos, não consegue reagir de maneira nenhuma, envelheceu uns 20 anos desse tempo pra cá, chora o tempo todo e não quer sair do sofá. Assiste as novelas mexicanas e às vezes passa dias sem tomar banho. Come eventualmente e toma medicamentos fortes demais.
Eu tenho certeza que ela vai melhorar se sair daqui. Deve ter um sapo enterrado em algum lugar, que já estava enterrado desde antes de mudarmos pra cá. Fomos os primeiros donos, essa casa é nossa há quase 25 anos, e desde que meus pais vieram pra cá, comigo e meu irmão, tudo só piorou pra eles. Inevitavelmente veio o divórcio, e meu pai está bem melhor desde então.
Já morei em outros lugares, mas por pouco tempo, e nesse pouco tempo fora, a vida pareceu melhor de alguma forma. Eu consegui progredir, evoluir. Mas sempre acabo voltando pra cá, quer eu queira, quer não. Fiz uns trabalhos espirituais, incensos, defumações, descarregos, mas por enquanto, tudo segue do mesmo jeito. Satanás, em todas as suas formas, é muito forte aqui. São anos e anos se abastecendo de tristeza, vontade de morrer, abuso de álcool e drogas e desmoronamento familiar.
Talvez a vida seja melhor fora daqui.
Talvez o problema esteja em mim.
Não sei, não pretendo saber.
Tudo o que eu quero é uma paz de espírito completa. Uma utópica forma de ver a vida de maneira positiva. Afinal de contas, os especialistas com seus diplomas pomposos pendurados na parede dizem que tudo depende só de nós mesmos, e afirmo, pra estes, que se depende de mim mesmo, e somente de mim mesmo, eu venho fazendo um péssimo trabalho. Falta talento. Falta paciência. Falta principalmente vontade, porque como eu disse acima, minha vontade é de ficar no meu casulo sem ter contato com pessoas, pois pra mim a vida das pessoas é tão importante quanto a teia de aranha que destruí hoje enquanto limpava a cozinha.
Trabalho com a minha ansiedade da mesma forma que trabalho com o meu alcoolismo, um dia de cada vez. Faço exercícios de respiração, tento ocupar minha cabeça, canalizo pra alguma atividade um pouco produtiva, leio, vejo memes e torço pro dia acabar logo. Dentro de mim ainda respira um ser conturbado e problemático, que já ameaçou pessoas com faca e se jogou na frente de carros. Escutem, eu não sou santo, nem sou um escritor genial, sou só um cara fudido tentando ser feliz. Como a maioria é também. A diferença é que eu enfrento essa realidade (mesmo contra a minha vontade) e tento fazer alguma coisa, enquanto os outros, no geral, estão vivendo vidas patéticas demais e recheando as redes sociais com sorrisos mentirosos e olhos sem brilho.
O mundo continua girando, e continuará girando sempre, comigo aqui ou comigo em outro plano.
Isso não quer dizer que eu queira me matar.
É uma ideia que existe, mas ela aparece uma vez por semana e dura de cinco a dez minutos, então eu penso em todo o trabalho que seria e acabo desistindo, até porque eu tentei me matar muitas vezes e não morri, não vai ser agora que vai dar certo.
Ou vai?
Chega, esse texto está muito carregado. Não vou falar sobre atentar contra a minha própria vida, vou falar de uma coisa legal.
Hoje eu saí cedo pra dar uma volta, me ajuda a lidar com a minha ansiedade, e vi umas crianças de uns sete ou oito anos de idade tocando as campainhas e saindo correndo depois, dando risada numa inocência sem precedentes. Aquilo me tirou um sorriso dos lábios, e vi alguma esperança nas próximas gerações. Não necessariamente que eles vão dar certo, afinal, a minha geração falhou miseravelmente. Mas me fez ver as coisas com outros olhos pela primeira vez em semanas.
Depois disso, andando pelas ruas e vendo as pessoas tranquilas me senti em paz, uma paz estranha, serena, como se não houvesse nada de errado no mundo, como se minha vida tivesse sido perfeita até ali, como se eu tivesse tido o amor do meu pai e da minha mãe, como se eu nunca tivesse tentado me auto destruir pelo simples fato de me odiar demais e achar que eu não mereço ser feliz. E aquela paz durou algumas horas, eu cantei algumas músicas alegres e ganhei a minha semana.
Talvez ainda resida um Deus dentro de mim que me indica os caminhos certos e me faça acertar de vez em quando. Enquanto eu não faço contato direto com ele, vou tocando os dias da melhor forma.
submitted by lucius1309 to desabafos [link] [comments]


2019.03.06 20:20 kekogames Minha vida era uma bosta

Olá meu nome e Kevin lima tenho 17anos e queria compartilhar algumas experiências que eu tive nesses 6 anos,eu não sei pra quem contar isso então vou postar aqui.
2013-esse ano eu entrei no 6 ano e estava em uma escola nova,o nome da escola era instituto adventista de Manaus (vamo chamar de iam)na minha sala a maioria das pessoas era novata que nem eu então foi uma coisa nova para todo mundo,foi um ano bem diferente conseguir entrar num grupo de amigos que tinha umas 6 pessoas foi um ano legal
2014-ai as coisas começam a ficar piores estava no 7 ano, praticamente todos os meus amigos ou trocaram de sala ou saíram da escola.entao eu comecei o ano meio pra trás,eu era bem tímido e bem gordinho (e meio lezo)então não conseguia fazer amigos eu não falava com quase ninguém eu ficava no canto da sala jogando no celular contando as horas pra que a aula acabasse.em casa aonde eu realmente me divertia adora ficar no YouTube vendo vídeos de Minecraft do monark do Venom e etc.e no Minecraft eu tinha amigos, nos faziamos video chamadas no Skype eu passava mais de 7 horas só jogando com eles era muito divertido.voltando a escola teve uma vez que estávamos sem professor aí ficou um tempo livre,umas 5 pessoas na sala fizeram uma roda e começaram a conversar,aí do nada me chamaram eu peguei minha cadeira e fiquei um pouco com eles(não falei muito)aí do nada começaram a falar sobre namoro e essas coisas, aí uma garota perguntou se eu ainda era BV eu falei que sim,ela perguntou se eu queria beijar ela , então besta do jeito que eu era fiquei recusando (e rindo meio com vergonha) e todo mundo insistindo. No final eu voltei pro meu canto e eu não beijei ninguém.ate hoje eu me arrependo.
2015-foi a mesma coisa que 2014 porém foi um pouco melhor,eu tentei aproveitar o tempo que eu ficava sozinho na escola fazendo nada. Já que eu não fazia nada na hora do recreio (já que eu ainda não tinha amigos) e comecei a refletir um pouco mais sobre a vida ,comecei a me questionar mais sobre coisas como religião,teoria da conspiração,e principalmente como as pessoas se comportam socialmente,eu observava as pessoas e fazia várias anotações de como elas se comportavam sobre diversas situações.em casa eu continuava jogando com meus amigos até fiz um canal de Minecraft.
2016-esse ano foi mais ou menos eu comecei a fazer um diário de todas as coisas que aconteciam ,nesse ano comecei a amadurecer um pouco mais(esqueci de citar um fato importante eu tenho uma irmã que e dois ano mais velha que eu e ela era tudo que eu não era inteligente, engraçada,bonita. Eu não tinha ciúmes dela,porém eu achava ela bem chata.eu era conhecido na escola como "o irmão da Karen)um dia eu estava esperando minha condução eu ficava em uma parte sozinho enquanto a Karen ficava conversando com os amigos dela,aí chegou uma garota do 7 ano e começou a conversar comigo ela era bem legal o nome dela era Rebeca ela gostava de animes e essas merda,aí a Karen saiu do canto dela só pra ficar bagunçando comigo . No carro ela ficou fazendo piadas,até em casa e prós parentes ela enchia a porra do meu saco (filha da puta).então eu parei de falar com ela por que a Karen e uma vagabunda.efim o resto do ano foi uma merda continuavam sem amigos

2017-esse ano as coisas começam a mudar radicalmente,pois eu comecei a entender realmente como socializar com as pessoas , depois que eu percebi isso eu perdi praticamente toda minha timidez.ai eu parei de fazer anotações e comecei a tentar ser bom numa coisa que eu gostava, matemática eu era o melhor da turma quando se tratava em matemática pessoas que eu nunca sonhava em falar começam a falar comigo ,e professores começam a me admirar e me usam como exemplo ,eu senti uma sensação que eu nunca tinha sentido antes e uma maravilha.em casa eu começo a perder interesse no Minecraft e meus amigos da Internet ficam um pouco mais distantes a cada dia(menos um).na escola eu ainda não tinha amigos porém eu era meio que independente. Era menos pior que ser um anti-social Zé ninguém. Pois eu não tinha medo de falar o que eu pensava as pessoas se surpreendiam por isso.eu sempre tentava fazer ações que chama-sem atenção dos outros ,tipo teve uma. Vez que a professora falou"quem não quiser assistir a aula ,sai agora"eu me levantei peguei minha mochila e fui embora todo mundo ficou tipo "oloko,Boa muleke!" Foi legal.um sentimento que eu sentia era o de sair da escola.meu sonho do 6 ano até o 1 ano era sair daquela escola,mesmo que as coisas estivesem melhorando eu ainda me sentia sozinho .Foi por um milagre de Deus minha outra irmã (a minha irmã legal)estava vendo matrículas para escolas públicas.fiquei muito interessado nisso passei a noite inteira pesquisando sobre escolas estaduais (procurando quais eram as melhores) foi aí que eu vi as 5 melhores pesquisei no site de matrículas e não tinha vagas pra nenhuma delas ,porém eu não desisti e passei literalmente 5 horas atualizando a página até que finalmente apareceu uma vaga para a escola Marco Antônio Villaça uma escola de tempo integral (7:00ate17:30) eu chamei minha mãe pra mostrar que eu consegui aí eu fiz os procedimentos da página e consegui me matricular. Eu não acreditei naquilo eu finalmente fiquei livre do iam eu senti uma sensação de alívio tão grande com felicidade foi ótimo. No último dia de aula mandei a escola toma no cu gritei bem alto "vtnc escola de merda" foi bem legal
2018-esse ano foi o melhor da minha vida, finalmente estava livre do iam.novas pessoas,lugares, experiências.eu consegui da reset na minha vida , Agora eu vou fazer tudo que eu não fiz. O começo foi complicado pois eu tava tão acustumado a ser tratado como um merda que eu achei que eu seria recebido assim porém foi totalmente o contrário,quando cheguei na escola estava bem nervoso. Foi direcionado para quadra, todos os alunos estavam lá.eu fiquei sentado num canto até que começaram a chamar os alunos minha sala era o 2 ano 3 .eu entrei na sala eu vi pessoas conversando e outros que nem eu (novatos)fazendo nada ,a professora chega e fala para os novatos se apresentarem. Essa hora foi bem legal pois depois que eu falei e tal. Eu me senti bem mais confortável.ja que aconteceu muitas coisas vou resumir.nos primeiros 4 meses conheci toda escola e fiz várias amizades.apartir do 7 mês eu fiquei com uma garota durou uma semana mais foi bem legal .hoje às pessoas me conhecem por ser um cara meio louco que faz as coisas por impulso , eu sempre tentei falar com o máximo de pessoas possíveis então a maioria das pessoas já me conhecem a escola só tem 9 salas então da pra ter pelo menos 2 amigos em cada sala.essa escola pra mim e minha segunda casa sou muito grato a minha outra irmã e Deus por terem me ajudado a sair do iam
2019-estou indo para o 3 ano e já comecei a estabelecer várias metas como arrumar uma namorada,dar uma festa,passar no vestibular,ser o melhor da turma e ganhar um dinheiro extra.
Me desejem sorte
submitted by kekogames to desabafos [link] [comments]


2017.12.15 15:42 jecagado [Leitura Obrigatória] Resolvi fazer um textão.

Hoje em dia me sinto incapaz.
Não é zoera nem nada do tipo, é que ... Eu lembro que aos meus 8/9 anos de idade, eu já sabia fazer muita coisa em que as pessoas diziam que eu não era capaz.
Jurista americano defende que o regime nazista impediu que os cidadãos se armassem, e que essa medida facilitou a perseguição aos judeus
E apoia sua posição em uma pesquisa que comprova: o governo alemão de Adolf Hitler temia ações populares e fez de tudo para desarmar potenciais adversários do regime, ou pessoas que o Terceiro Reich pretendia perseguir. Ele é um dos mais importantes defensores, nos Estados Unidos, da Associação Nacional de Rifles (NRA, na sigla em inglês), e já advogou, dentro do Congresso americano, a favor do argumento de que a posse de armas é um direito de todo cidadão – afirma isso com base na Segunda Emenda da Constituição do país, que diz: “Sendo necessária à segurança de um Estado livre a existência de uma milícia bem organizada, o direito do povo de possuir e usar armas não poderá ser infringido”.
Sempre tive um bom conhecimento em informática pra minha idade, aos 13 anos eu já conseguia fazer muita coisa com o PC, que muito marmanjo nem sonhava. Eu parecia aprender com muito mais facilidade na infância, hoje as coisas se tornaram um pouco mais difícil. Essa semana eu fui em uma convenção dessas 'nerds' que acontecem por ai, e vi muitas crianças agindo feito adultas. Vi alguns casais homo afetivos, onde a mulecada não aparentava ter mais do que 14 anos (absolutamente nada contra). O que eu quero dizer é que, a falta de contato com o mundo (isso na época onde eu vivi a minha infância/adolescência), me fez acreditar que eu era incapaz de fazer o que eu queria, mesmo eu sendo completamente capaz, entendem ? (e não eu não estou falando de dar o brioco UAHUAH) Lembro que queria fazer um curso de Técnico em informática aos 12/13 anos de idade, ouvi: "Não, você é muito novo pra essas coisas!" Aos 15 quis entrar pra uma academia; "Não seu corpo ainda não está formado ainda!" Aos 16 obtive meu emprego, fiquei MUITO FELIZ, 6 meses depois: "Não, você não precisa trabalhar agora, vai estudar!" (fui obrigado a largar o emprego por escolha dos meus pais) Hoje eu estava avulso no Youtube, e vi um video de uma garota "rebelde" por nome de Danielle Bregoli, conhecida como Bhad Bhabie, uma "trapper" americana de 14 anos, que viralizou ano passado no Youtube, chamando não só a platéia, como a mãe pra briga no meio de um palco de um programa televisivo (desses tipo a "Super Nanni") Após viralizar, ela ganhou muitos seguidores no Instagram, e aproveitando a "fama" repentina, ela resolveu lançar algumas musicas no youtube, e alguns de seus videos (desse ano) chegaram a marca de 52 milhões de vizualizações. Tudo isso com 14 anos de idade. Isso me fez pensar que, o contato com o mundo através da internet, faz a criança /adolescente crer que ele é mesmo capaz de fazer certas coisas as quais os adultos ao seu redor, estão a todo momento os limitando. Toda aquela proteção criada em torno das pessoas com seus respectivos filhos, são mesmo necessárias ? Por que não apresentar o mundo logo para as crianças, ao invés de criar toda uma blindagem a cerca da criança ? Digo ... Eu tenho 23 anos de idade, e eu juro pra vocês que eu estou tendo contato com as pessoas /mundo nessa época da minha vida, eu to começando a entender o que é a vida. As vezes eu me sinto como um adolescente de 15 anos idade de hoje em dia.
Mas a obra também descreve e analisa a legislação alemã, desde o fim da Primeira Guerra Mundial até o auge do Terceiro Reich, que aprovou uma lei de 1938 formalizando a caça a qualquer cidadão que ainda tivesse armas. Nos idos de dezembro de 1922, eu havia conseguido estocar, fora de Munique, quinze metralhadoras Maxim, mais de duzentas granadas de mão, 175 rifles em perfeito estado e milhares de cartuchos de munição”. “No entanto, quantas histórias individuais poderiam ter sido escritas de outro modo?” Afinal, ele afirma em eu livro, “os próprios nazistas viam os judeus armados como suficientemente perigosos para minar sua estratégia de desarmá-los.” Leia a entrevista com o jurista Stephen Halbrook É possível comparar a política de controle de armas do Terceiro Reich com as regras adotadas nos países democráticos do século 21? Manter registros é uma política similar à realizada na Alemanha nos anos 1920, e os nazistas se aproveitaram dessas listas em 1933, quando chegaram ao poder. Nos séculos 19 e 20, o país manteve uma milícia armada, e todos os seus membros – cidadãos civis livres – precisavam manter armas em casa e estar prontos para se mobilizar com agilidade.
Bom, tudo começou quando conheci uma menina no tinder e de imediato rolou uma reciprocidade no aplicativo. Resolvemos passar a conversa no wpp, se conhecer melhor e até marcar um encontro. Ficamos mais ou menos 1 mês conversando sem parar, até surgir o primeiro desintendimento e logo no dia que ela estava mais sensível. Pedi desculpas pelo que eu fiz, ela me perdoou e fomos voltando ao normal aos poucos, quando me dei conta aquela paixão de antes no tinder virou uma amizade. E ficamos assim mais ou menos uns 3 meses, saímos algumas vezes, mas era só uma amizade. O tempo foi passando e percebia que cada vez mais os nossos pensamentos e ideais se combinavam. Nisso comecei a sentir uma atração forte por ela e um desejo de ficar com ela, de ter ela na minha vida. Fui até ela eu disse o que queria, que queria um relacionamento serio com ela. Porém ela disse que era para a gente ir com calma, sem apressar as coisas e ver no que ia dar. Então eu aceitei a resposta dela e ficamos juntos como ficantes, não era apenas uma amizade, mas também não era um namoro, pois havia sentimentos profundos envolvidos. Depois disso passei a frequentar a casa dela, os pais dela mostravam que gostavam de mim e isso me deixava feliz. Estava tudo lindo e maravilhoso, até eu saber ontem que os pais dela falaram muito no ouvido dela, dizendo que a gente não assumia logo, que eu não queria nada com ela, que por eu não ter faculdade não quero nada com a vida. Logo que ela terminou de falar comigo sobre isso, fiquei chateado e puto ao mesmo tempo.
Se você é pai, cara, aproveita o potencial do teu filho. Para de tentar criar uma blindagem de mundo perfeito pro seu filho, porque o mundo não é perfeito. Essas crianças que apoiam o Bolsonaro por ai, não passam de um bando de frustrado ... É mais do que claro que essa molecada vive sob um estado de blindagem criado pelos próprios pais em seus condomínios fechados (eu tenho certeza disso). Ahh ... não sei nem mais o que escrever ... Perdão pelos erros 'hortográficos', to sem paciência até pra redigir um texto bem elaborado.
Então ela fala para mim que devido a isso ela quer dá um tempo, porque está cansada de ouvir os pais falando no ouvido dela. Eu entendi a situação dela, mas e a minha? Será que ninguém liga para os meus sentimentos? Eu sinceramente não sei o que fazer com essa situação toda. Eu quero ficar com ela, mas parece que está ficando complicado. Adoraria ouvir os seus conselhos em relação a este meu caso. Obrigado a todos que leram!
TL;DR : Eu sinto que as crianças são muito subestimadas, até mais do que deveriam, então resolvi fazer um textão.
*Edit: Ajeitei os parágrafos
submitted by jecagado to circojeca [link] [comments]


2017.12.01 17:27 tombombadil_uk Quantos de vocês já estão/estiveram/conhecem alguém em um relacionamento abusivo? Já tentaram dar um toque nessa pessoa?

Depois de compartilhar com vocês a história que vivi com essa menina que reencontrei (link aqui) depois de 12 anos, outro assunto ficou aqui na minha cabeça e quis compartilhar com vocês: relacionamentos abusivos. Quantos de vocês passaram, passam ou conhecem alguém que passe por isso?
Eu não sei quantos de vocês aqui já passaram por algo do tipo. Mas essa conversa com a menina que reencontrei, na qual falei sobre as experiências que passei aqueles quatro anos com um relacionamento extremamente tenso. Foi um momento tão traumático da minha vida que eu nem gosto de pensar muito nele, mas essas três semanas relembrando daquela época e a conversa que tive essa semana me fez perceber várias coisas.
Olhando agora, todo esse tempo depois, muito disso soa absurdo e não acredito que me sujeitei a tanto, que perdi tanto da minha vida. Especialmente amigos nessa época tão gostosa que é entre 18~22 anos.
Fica aqui um desabafo sobre o assunto, solidariedade a quem também já passou por isso e possivelmente ligar o alerta para quem pode estar vivendo uma situação dessas. Ninguém é tão bom a ponto de você abrir mão de tudo na sua vida - família e amigos - para poder ficar com aquela pessoa. Você jamais vai ser tão ruim a ponto daquela pessoa "ser a única que vai aturar você" na sua vida.
Se você acha que está vivendo um relacionamento estranho, senta e conversa com um amigo ou amiga. Pede ajuda. Passar por esse perrengue foi bem traumatizante e eu demorei uns dois anos depois do relacionamento para me recuperar completamente. De certa forma, isso me amadureceu MUITO. Mas, ao mesmo tempo, eu gostaria de ter percebido mais cedo o que eu estava vivendo com ela para aproveitar melhor aquela época.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]